Indicados ao Oscar 2013 de Melhor Figurino

Não sei o que é mais legal no Oscar, o red carpet mais glamuroso do ano ou palpitar sobre quem vai levar a estatueta pra casa e a categoria mais gostosa, claro, é a de figurino! Esse ano todos os concorrentes são filmes de época, ou seja, uma escolha bem difícil. Vamos aos indicados:

 
“Os Miseráveis”


Inspirado na obra do escritor Victor Hugo, o musical se passa durante a Revolução Francesa do século XIX. Justamente pelo momento vivido na época o figurino conta com contrapontos de luxo e farrapos, numa atmosfera bem pesada. Um filme forte e denso que combina com o trabalho de Paco Delgado que foi responsável pelo figurino de filmes como “A Pele Que Habito”, “Biutiful” e “Má Educação”, só tensão!

“Lincoln” 

Com direção de Steven Spielberg, o filme aborda os problemas enfrentados pelo presidente dos E.U.A. durante a guerra que dividia o país. Tem a clássica cara de filme de época e o figurino ajuda muito na condução ao passado, é assinado por Joanna Johnston que tem no curriculo “Forrest Gump”, “Sexto Sentido”, “As Crônicas de Spiderwick”, dentre outros.


“Espelho, Espelho Meu” 


Releitura do clássico da história da Branca de Neve, traz muitas cores em um figurino bem rico e lúdico feito pela figurinista japonesa Eiko Ishioka, que também foi responsável pelo figurino do documentário “Cirque Du Soleil: Varekai”, muito legal as referências trazidas por ela para as linguagens!

“Branca de Neve e o Caçador”


Mais uma adaptação da história da Branca de Neve (o conto fez sucesso em 2012!), só que mais pesado, com um toque mais sombrio e um final diferente do original. O figurino circula nos tons mais terrosos e fechados, o glamour fica por conta da poderosa vilã, já que a princesa nessa história se junta ao caçador na luta. Colleen Atwood, figurinista do filme, é bastante versátil, fez filmes como “O Preço do Amanhã”, “Nine”, “Sweeney Todd” e foi indicada 3 vezes ao Oscar, por “Alice no País das Maravilhas”, “Chicago” e “Memórias de uma Gueixa”.

 
“Anna Karenina” 

 

Baseado no romance de Tolstói, Anna vive um amor dificil com o amante Vronski (interpretado pela minha paixão, Aaron Johnson *suspiro*, hehehe) na Rússia czarista o que provoca mentiras e conflitos familiares. Não é a primeira vez que a figunista Jacqueline Durran trabalha com Keira Knightley – protagonista do filme -, a parceria já ocorreu também nos excelentes “Orgulho e Preconceito” e “Desejo e Reparação”.
(Off Topics que preciso compartilhar, já perceberam como a Keira faz papel de sofredora? Quase a Maria do Bairro de Hollywood, kkkkk).
 
Aposto em Anna Karenina, e vocês?